Seguidores

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

THE GOOD GARDEN 14 ANOS NÃO É 13.

Foi num dia qualquer em um sono profundo quando ouvi duas vozes estranhas batendo na minha porta, mas não chamavam por mim e sim pelo meu primo, anderson amsterdan (danzin). As vozes pertenciam ao cicero alexandre e ao georgiano de castro, pouco me importava quem fosse ou qual assunto, eu tinha sido acordado e isso não se faz (kkkkk). horas depois do ocorrido fiquei sabendo que se tratava de um convite para o anderson, tocar com a the good garden e isso a 11 onze anos atrás, foi nesse dia que comecei meu relacionamento com os good garden boys.


Eu, frequentei quase todos os ensaios da banda que ocorria na casa do georgiano e foi bem ai que houve um conflito passageiro. Para quem não sabe as discussões desse período eram desgastantes e imorais, mexia com o ego, ideologia, posicionamento, identidade. Pois o anderson era apenas um garoto afim de tocar guitarra e os demais ja convictos de seus objetivos . No fim de tudo eu, tava sempre no meio das agressões e por vezes me sentia agredido por tabela, foi quando passei a sentir ódio do georgiano dentro de sua propria casa. O alexandre? esse sempre foi o cara do link, unia água e óleo com maestria. As coisas andavam o tempo passava e pouco mudava, eu, todo grunge, anderson heavy metal seco, georgiano um verdadeiro TIM MAIA de tao fácil de lhe dar e o alexandre inegavelmente um sir mister classic rock. Nada era fácil nem precisava ser e foi percebendo o quão dificil era que a coisa aconteceu. dentro de nossas cabeças uma frase gritada: ''ninguém pode ser contra quem trabalha'',  Eramos um trio de quatro.

Hora de acordar, numa manhã dessas fui na casa do cara que eu menos gostava na vida, eu vi o quanto o conhecimento do georgiano era profundo e meu amor  pelo rock era maior que nossa diferença. Agente estudava rock e tomava café, agente estudava NEW WAVE e tomava café (forte e sem açucar) foi essência pura. O meu trato com o alexandre, nunca foi menos que amoroso, sempre cordial, as vezes parecia coisa de irmãos ou de pai para filho. com ele aprendi tudo sobre o underground da forma mais humana possível ele percebia que diante dos desatinos eu nunca abandonei-os.


Quando chegava dos eventos que a banda tocara, eu sentia saudade e saudade é amor na ausência. Parece que no mesmo instante houve compreensão plural o anderson se tornava o guitarrista mais virtuoso de toda cidade (embora dispensável)  eu ja tava achando o CABEÇA (georgiano) amável e gentil, meu convívio com meu primo (anderson) se tornava agradável como nunca antes e sir alexandre conduzia essa confusão. Até que o andreson deixou a guitarra da banda numa despedida honesta, e a the good garden a deriva.  A lacuna se fechou logo, o alexandre foi me visitar como de costume e cheio de interesse me perguntou; '' wesley, o wellington daria certo nas guitarras da banda?'' (hahahaha) não escondia de ninguém que meu hobby era tocar violão com o wellington e por isso sabia o quanto esse cara era fodido em compor letras e melodias, respondi  enfático " o wellington é o cara! esse vai ser mais que musico, vai ser um membro da banda. Não sei o quanto minha opinião foi decisiva e nem me importo com isso, mas quando vi o primeiro show dos good garden boys com o wellington vi rock, vi compatibilidade, vi finalmente um conjunto power trio. o lobo (wellington) trouxe um pacote de musicas prontas, trouxe atitude, juventude?  foda-se!


THE GOOD GARDEN  é como uma gíria que é difícil negar, é um palavrão sem pedido de desculpa, é rock n roll agressivo, é auto produção, é underground, é verdade!
AMO ESSES CARAS COMO AMO POUCOS HUMANOS NA VIDA.
parabéns pelos 14 anos de estrada...


aaaa esqueci os primeiros anos da banda de proposito. kkkkkkk

sábado, 9 de setembro de 2017

TODOS OS GESTOS

Não existe cura para a rotina, não existe vicio mais cretino que se manter. Manter-se vivo, manter-se belo, manter-se saudável e então manter-se obvio. Encontrei num olhar jovem a enganação da cura, ali havia mentira pura, também vi verdade e não sei o que fazer com isso. Sou subterrâneo e diferente na captação das imagens, vejo além do permitido, vejo o completo ser envolvido.

Sou o cara que se emociona com o primeiro acorde e quer a morte no último, no mesmo passo que a cena acontece, ouço: stay on thease roads isso abre o entendimento lírico do meu ser romântico, também me trás todas as margens de erro. Meus olhos queimam, mas isso é outro vicio, nenhuma lagrima cai e completo cada passo na direção do futuro, futuramente quero repetir meus passos de forma espirita talvez, ou que seja pra corrigi-los. Andar e conquistar é um fundamento básico de outra época, gosto disso. Não pelo sangue ou léguas de terra, vencer pra mim tem outro proposito, quero o sabor de uma nova história, quero chorar na chuva pra que ninguém perceba, chorar feliz. E os passos continuam sem direção certa, estou certo disso, estou certo que meu suor de cada dia me trará mais que cansaço, estou convicto que minha confusão mental terá efeitos artísticos para algum sem lei por ai.
Para todos os efeitos meus defeitos são meus e não de fontes desconhecidas. 

quinta-feira, 20 de julho de 2017

RIMAS DO CORAÇÃO

De todas as possibilidades encontrei a solidão
Me vi sozinho, me revesti de coragem no meio da multidão.
Já vi a poesia sendo escrita a mão, já vi meu corpo caído
Prefiro fechar os olhos e imaginar que não.
As grades cercavam meu preciosismo, se alimentavam do nada
O nada que fui e que não sou mais, o nada teima em terminar o verso
Mas, o nada não passa de introdução, por isso sou inverso.

Sou metade do que a mocinha pensa que sou
Não sou livro aberto! Nem tenho peças de reposição
Sou revestido de ódio e amo do fundo do coração.
Lamento percas que machucam, lamento a hora de partir
Quando a sirene soa, os gritos alarmam e percebo que devemos ir.

Conheci uma garota que adora rimas, conheci mais do que precisava
Conheci mais do que devia, ela que não imaginava que um dia eu, a seduziria.
Ganhei toda Velocidade...ganhei tudo que não havia
Ganhei cicatrizes, regressos e a pureza da verdadeira poesia.
Preciso mergulhar no fervor das sensações
Não posso me enganar com frias intenções.
Hora dessas te conto como foi, te digo como é
Ser herói vestido de vilão, ser honesto, ser profundo
ser completamente...emoção.



sábado, 8 de abril de 2017

O REGRESSO DO AGRESSOR

                     De repente a noite cai, anjos em cima, demônios na esquina. Esperar o pior de quem dar o melhor sempre, essa é a rotina do universo que questiona os fracos, quem está disposto a se entregar completamente aos desejos e as fraquezas humanas sempre estará exposto e nunca infeliz, pois os erros ansiosos pela felicidade é apenas um imposto pago antes ou depois dos mais puros sentimentos capturados. Não sei bem se sou ou se estou completamente sem nexo mas frases rasgam meu peito, meu coração é novo como dizia a canção.

                     Morri duas vezes aos 27 anos, nasci 3 vezes e garanto que meu (círculo vicioso) nunca volta ao mesmo ponto. Sou tão controlável quanto um rio nervoso, por isso morro de medo de morrer antes de ficar pronto mesmo sabendo que não fico pronto nunca. Transitava muito feliz mas, fui de 100km a 0km no mesmo segundo e não posso transmitir pra ninguém o que vi e o que ouvi, porém garanto que o ser humano está conectado a coisas sub-humanas. Me devotei, me revoltei, me silenciei e depois cantei everybody (madonna). Estive no fundo, voltei a superfície e não conheço o percurso, não decoro trajetos pois não pretendo repeti-los, no entanto sentir as variação das diversidades da emoção é belo, ver a vida de fora pra dentro te dá soluções que você não encontraria num trajeto covarde, essa é a real rotina da vaidade. Aprendi a admirar as arestas, aprendi a me incendiar com uma fagulha, aprendi que manter-se disposto a aprender já é um aprendizado.


                    No meio do caos existe a mais bela boca esperando por um beijo meu, mas dessa vez não terei pressa, agora seguro a tristeza numa mão e a felicidade numa outra, ter auto controle é assumir-se fraco, perder o controle é o absolutismo completo. Peço perdão por ter a pele revestida de metal nobre, entendam que meu nobre coração foi esculpido com madeira rustica tirada da mais calma floresta numa galáxia qualquer e minha alma pertence ao senhor do universo ...assim como no verso. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

EU, DENTRO DO SEU OLHAR

             Um sonho dentro de um olhar, acordando com pássaros cantando pra mim, num voo rasante  todos me contemplam, sou abraçado pela luz do sol que só dessa vez não agride minha fotofobia. Salta do meu ser a misericórdia, adentra a dor e o dom dos vivos, meu corpo flutua, a noite despenca e surge a lua toda nua. Sou jovem, justo e totalmente seduzível. Não tenho nome e sim um número, qual número vem em sua cabeça? Não carece de pressa pra responder, mas seja verdadeira em sua reação. Não tenho ideia de que horas são, não tenho vaga ideia de quem vocês são, mas me assusto com o mesmo olhar vindo de cada uma. Varias mulheres, uma performance e todo desejo do mundo disparado contra mim, um sorriso bobo e assim reajo. Dia e noite e tudo passa como um flash, o infinito do universo é tão pequeno que cabe dentro do seu lábio. Onde fica a porta de saída desse sonho de outono? Numa tentativa covarde pra fugir do poder do seu olhar me jogo dentro de um lago azul e vou afundando, completamente sem folego e no fundo do lago encontro a margem no fundo do castanho dos seus olhos. Dentro dos seus olhos encontrei o conforto que a paixão oferece, dentro de uma indústria espacial onde nada é normal, nem a velocidade do sucesso me fascina, somente o teu olhar de menina.


                Impossível traduzir em palavras sintomas tão agressivos, impossível sentir ódio hora dessas, impossível ficar ‘’frio’’ com a libido ardendo em febre. Me sinto impossível, me sinto perdido ao seu lado em qualquer parte do mundo. No fim não sou eu quem a leva pra casa. No fim tudo começa, tudo muda e deixo de dançar sozinho no meu quarto escuro.




sábado, 13 de agosto de 2016

PRONTO PRA SEGUIR.

          Braços e abraços em passos largos enfrento a estrada todos os dias, ouvindo mentiras que ninguém quer saber, que nada os cale por motivo algum. o que devia ser fácil se torna impossível assim como o convívio humano totalmente torto ou torto sou eu? me calo por dias, por tempos e em todos os períodos me posiciono muito mais que qualquer falante, -calma! -um instante! Sempre é assim o mundo fala muito e ouve pouco, aqui tem um pouco de mim em poucas linhas, rápidas e inseguras. Segure o impeto, olhe, ouça e perceba a força dos mais diferentes níveis da maturidade, o ser humano não fica pronto nunca.
           Pronto! palavras e palavras jogadas no tempo e ninguém viu ou ouviu, em tantas vidas de experiencia nem a ciência vai ter certeza. só agora vejo Jesus de cabelo curto. Eu curto minhas descobertas com a mesma crença que os mentirosos tem quando abrem a boca, tenho certeza de que não quero mais ter convicções, prefiro invenções que se vão depois do efeito do café, retalhei minha certeza nos mínimos detalhes, tenho certeza de que nunca mais as verei. foram pro ESCAMBAU. Foi mau! pelo exagero mais é que demorei 10 anos pra entender aquela música e não posso deixar de expor meu achismo. Por hora  me comprometo em ouvir a mesma música por mais 10 anos e tentar redescobri-la, pois assim que funciona; sem verdades, mentiras ou convicções o tempo e o momento te mostram as cetas no caminho. Se você não está pronto para ouvir, você vai está sempre perdido, se você não sabe o que falar cale-se  dê oportunidade a seus ouvidos, permita-se aprender, descubra o caos necessário dentro do silêncio, se descubra.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

UNIVERSO NOS CENTÍMETROS DO CÉREBRO

No osso ou no aço de mim apenas um simples traço
Traços e traças não se diferem, ambos interferem.
Algo empalado dentro do meu ser que não me deixa ser,
Permita-me falar do ‘’nada’’ : o nada é tanta coisa
Que nunca saberei traduzir nem resumir sua complexidade
De verdade...triste vaidade que cabe no bolso, coroe o osso.
Ter um jeito peculiar, saber avaliar mas nunca voar,
Ter todo o dinheiro do mundo e nunca se ter,
Nunca se conter por conta própria.
O ego envolve tudo, menos glória
O ego não tem ação, é só uma sensação
Mas de verdade, prefiro ficção.
Prefiro ser extensão de uma máquina, correr a mil
Mas nunca ter pressa, sem essa de abdicar
Sem essa de ficar, raízes apodrecem.
Somos como uma planície que tem altos e baixos
Mas nunca longe do ponto mais alto, nunca sempre.

Estamos sempre em busca das respostas que não nos levam
Mas que não nos deixam exercitar o ‘’nada’’
O nada são tantas possibilidades que ainda não posso alimentar-se disso
Por hora não, estou repleto de osso, aço, água e fluídos
Na cabeça apenas ruídos, gritos e gemidos
 E tudo isso me impossibilita de existir.
Uma pausa para o silêncio de um deus
Um instante para os meus e os seus
É hora de desocupar o saloom, tirar de rota
Todos que compõe essa multidão deliberada
Que não sabem, nem suportam saber o que significa o ser e o estar.
Primeiro preciso ver o brilho de um acorde
Depois preciso ouvir o discurso sábio do silêncio.